12. Natureza ondulatória da luz. Interferência. Experiência de Young. Difração. Polarização da luz. Modelos ondulatório e corpuscular da luz.



12. Natureza ondulatória da luz. Interferência. Experiência de Young. Difração. Polarização da luz. Modelos ondulatório e corpuscular da luz.






10:23 05.07 .. daqui a pouco posto, verdade e que as vezes da uma preguica de escrever aqui.. mais tenho que pensar que isso de alguma forma pode acabar ajudando uma pessoa que seja, dai vai ter valido a pena. Mais um tempinho que eu vou ler o tema de hoje, rs.. (....) hum...
Uma das primeiras coisas que devemos saber é que a luz é uma onda eletromagnética, a luz é uma forma de energia e a possibilidade de vermos por causa dela é uma caracteristíca que pode nos deixar bastante interessados em estuda-la. O raio de luz é a trajetória de luz em determinado espaço. Propagando-se em meio homegênio a luz percorre trajetórias retilineas.


A intensidade de uma fonte luminosa está relacionada com a amplitude da onda luminosa.


Quanto maior a amplitude, maior a intensidade da luz

Quanto menor a amplitude, menor a intensidade da luz



Experiência de Young
Por volta do século XVII, apesar de vários físicos já defenderem a teoria ondulatória da luz, que afirmava que a luz era incidida por ondas, a teoria corpuscular de Newton, que descrevia a luz como um partícula, era muito bem aceita na comunidade científica.

Em 1801, o físico e médico inglês, Thomas Young foi o primeiro a demonstrar, com sólidos resultados experimentais, o fenômeno de interferência luminosa, que tem por consequência a aceitação da teoria ondulatória. Embora, hoje em dia, a teoria aceita é a dualidade onda-partícula, enunciada pelo físico francês Louis-Victor de Broglie, baseado nas conclusões sobre as características dos fótons, de Albert Einstein.

Reações: